quinta-feira, 26 de março de 2009

7º ano (6ª série) - TEXTO

Conforme combinado as respostas deverão ser postadas até dia 31 de março de 2009 às 17h (terça-feira)


Bom trabalho a todos.


1-) A crônica discute vários aspectos da vida social moderna; contudo, um deles se destaca. Das palavras seguintes, qual traduz o assunto central do texto?

• comportamento • moda • casamento • beleza


2-) As três frases a seguir expressam a reação da esposa e da filha diante do comportamento do dentista:

"Passado o susto, a mulher e a filha sorriram com fingida tolerância."
"— O que é isso? — perguntou a mulher depois da salada, sorrindo menos."
"A mulher impacientou-se."

a-) De uma frase para outra, nota-se que o narrador, para demonstrar o processo de irritação da esposa e da filha, empregou o recurso da gradação. Esse recurso consiste em criar um movimen¬to crescente ou decrescente, que acontece aos poucos, em graus. Comparando as partes destaca¬das nas frases, observa-se uma gradação crescente ou decrescente?

b-) A partir de que momento o comportamento bem-humorado da mãe e da filha começa a se modificar?


3-) Observe esta descrição que o narrador faz do dentista:

"Era um dentista respeitadíssimo. [...] Um homem sério, sóbrio, sem opiniões surpreendentes, mas de uma sólida reputação como profissional e cidadão."

Compare-a, agora, com estes pensamentos da esposa:

"Uma carreira brilhante, uma reputação, um nome, uma família perfeita"

a-) Em algum momento esses fragmentos demonstram os sentimentos e desejos do dentista como pessoa? Justifique.

b-) De acordo com o texto, o que é mais importante para a sociedade: o que o indivíduo realmente é ou o que ele parece ser?


4-) O mundo do dentista, até o episódio do nariz postiço, resumia-se a dois elementos básicos: a família esposa e filha) e a profissão (incluindo aí seus clientes e sua secretária).

a-) Que comportamento têm essas pessoas quando ele insiste em agir de modo diferente?

b-) De modo geral, tal qual ocorreu no caso do dentista, pode-se dizer que a sociedade reserva um único destino a todos aqueles que ousam ser diferentes. Qual é esse destino?


5-) A esposa suspeita que o marido tenha enlouquecido, os amigos o aconselham a procurar um psiquia¬tra. O psiquiatra conclui que ele está bem, apesar de apresentar um "comportamento estranho".

a-) Que argumentos contrários o dentista apresenta diante da opinião do psiquiatra sobre seu comportamento?

b-) No final da crônica, o narrador afirma que o dentista continua a usar o nariz: "agora não é mais uma questão de nariz. Agora é uma questão de princípios". Qual a diferença entre uma questão de nariz e uma questão de princípios?


6-) O dentista diz ao psiquiatra: "Quer dizer que eu não sou eu, eu sou o meu nariz?". E o psiquiatra responde: "É... [...] Talvez você tenha razão...". E o narrador nos propõe uma questão: "O que é que você acha, leitor? Ele tem razão?".

Então dê sua opinião: O que é ser diferente? Somos o que somos ou o que parecemos ser?

7-) Você já ouviu a canção a seguir, de Rita Lee e Arnaldo Baptista, que fez sucesso na voz de Ney Matogrosso?
BALADA DO LOUCO
Dizem que sou louco
Por pensar assim [...]
Eu juro que é melhor
Não ser um normal
Se eu posso pensar
Que Deus sou eu.
Sim, sou muito louco
Não vou me curar
Já não sou o único
Que encontrou a paz
Mais louco é quem me diz
E não é feliz
Eu sou feliz.

Nessa letra de música, o eu lírico — isto é, a voz que se expressa no texto e que não é necessariamente o autor — nega-se a se "curar" e diz ter encontrado a paz?

a-) Você acha que o dentista também encontrou a paz?

b-) Releia os três últimos versos da Balada do louco. Você acha que ser diferente pode trazer felicidade?

13 comentários:

Anônimo disse...

1-) A crônica discute vários aspectos da vida social moderna; contudo, um deles se destaca. Das palavras seguintes, qual traduz o assunto central do texto?

• "COMPORTAMENTO" • moda • casamento • beleza


2-) As três frases a seguir expressam a reação da esposa e da filha diante do comportamento do dentista:

"Passado o susto, a mulher e a filha sorriram com fingida tolerância."
"— O que é isso? — perguntou a mulher depois da salada, sorrindo menos."
"A mulher impacientou-se."

a-) De uma frase para outra, nota-se que o narrador, para demonstrar o processo de irritação da esposa e da filha, empregou o recurso da gradação. Esse recurso consiste em criar um movimen¬to crescente ou decrescente, que acontece aos poucos, em graus. Comparando as partes destaca¬das nas frases, observa-se uma gradação crescente ou decrescente?
CRESCENTE
b-) A partir de que momento o comportamento bem-humorado da mãe e da filha começa a se modificar?
A PARTIR DA HORA QUE ELE RESOLVE FICAR COM OS ÓCULOS.

3-) Observe esta descrição que o narrador faz do dentista:

"Era um dentista respeitadíssimo. [...] Um homem sério, sóbrio, sem opiniões surpreendentes, mas de uma sólida reputação como profissional e cidadão."

Compare-a, agora, com estes pensamentos da esposa:

"Uma carreira brilhante, uma reputação, um nome, uma família perfeita"

a-) Em algum momento esses fragmentos demonstram os sentimentos e desejos do dentista como pessoa? Justifique.
NÃO APENAS MOSTRA O QUE O PERSONAJEM FAZIA E NÃO O QUE ELE REALMENTE QUERIA.
b-) De acordo com o texto, o que é mais importante para a sociedade: o que o indivíduo realmente é ou o que ele parece ser?
O QUE ELE PARECE SER.

4-) O mundo do dentista, até o episódio do nariz postiço, resumia-se a dois elementos básicos: a família esposa e filha) e a profissão (incluindo aí seus clientes e sua secretária).

a-) Que comportamento tem essas pessoas quando ele insiste em agir de modo diferente?
RESOLVEM ISOLÁ-LO E DISCRIMINÁ-LO.
b-) De modo geral, tal qual ocorreu no caso do dentista, pode-se dizer que a sociedade reserva um único destino a todos aqueles que ousam ser diferentes. Qual é esse destino?
FICAR SÓ E NÃO PODER FAZER NADA EM CONJUNTO.

5-) A esposa suspeita que o marido tenha enlouquecido, os amigos o aconselham a procurar um psiquia¬tra. O psiquiatra conclui que ele está bem, apesar de apresentar um "comportamento estranho".
a-) Que argumentos contrários o dentista apresenta diante da opinião do psiquiatra sobre seu comportamento?
QUE ELE CONTINUA SENDO O MESMO PAI, MARIDO, DENTISTA. CONTINUA PENSANDO E AGINDO COMO NORMAILMENTE FAZ.
b-) No final da crônica, o narrador afirma que o dentista continua a usar o nariz: "agora não é mais uma questão de nariz. Agora é uma questão de princípios". Qual a diferença entre uma questão de nariz e uma questão de princípios?
ANTES ELE USAVA PO NARIZ POIS ACHAVA INTERESSANTE, AGORA USA PARA MOSTRAR AS PESSOAS QUE ELAS ESTÃO ERRADAS.
6-) O dentista diz ao psiquiatra: "Quer dizer que eu não sou eu, eu sou o meu nariz?". E o psiquiatra responde: "É... [...] Talvez você tenha razão...". E o narrador nos propõe uma questão: "O que é que você acha, leitor? Ele tem razão?".

Então dê sua opinião: O que é ser diferente? Somos o que somos ou o que parecemos ser?
SER DIFERENTE É SER COMO VOCÊ É, POIS NINGUÉM É IGUALSINHO AO OUTRO, CADA UM DEVE SER O QUE REALMENTE É E NÃO O QUE AS PESSOAS QUEREM QUE SEJAMOS.
7-) Você já ouviu a canção a seguir, de Rita Lee e Arnaldo Baptista, que fez sucesso na voz de Ney Matogrosso?
BALADA DO LOUCO
Dizem que sou louco
Por pensar assim [...]
Eu juro que é melhor
Não ser um normal
Se eu posso pensar
Que Deus sou eu.
Sim, sou muito louco
Não vou me curar
Já não sou o único
Que encontrou a paz
Mais louco é quem me diz
E não é feliz
Eu sou feliz.

Nessa letra de música, o eu lírico — isto é, a voz que se expressa no texto e que não é necessariamente o autor — nega-se a se "curar" e diz ter encontrado a paz?
SIM, POIS ELE NÃO QUER SER NORMAL SE ENCONTROU A PAZ SENDO O QUE É.
a-) Você acha que o dentista também encontrou a paz?
SE ELE É O QUE QUER SER, SIM.
b-) Releia os três últimos versos da Balada do louco. Você acha que ser diferente pode trazer felicidade?
SIM, POIS SER LOUCO É SER VOCÊ MESMO, E, ASSIM, SER FELIZ.

Bruno Oliveira Marrega

Anônimo disse...

1-) A crônica discute vários aspectos da vida social moderna; contudo, um deles se destaca. Das palavras seguintes, qual traduz o assunto central do texto?

• comportamento • moda • casamento • beleza
R:Beleza.

2-) As três frases a seguir expressam a reação da esposa e da filha diante do comportamento do dentista:

"Passado o susto, a mulher e a filha sorriram com fingida tolerância."
"— O que é isso? — perguntou a mulher depois da salada, sorrindo menos."
"A mulher impacientou-se."

a-) De uma frase para outra, nota-se que o narrador, para demonstrar o processo de irritação da esposa e da filha, empregou o recurso da gradação. Esse recurso consiste em criar um movimen¬to crescente ou decrescente, que acontece aos poucos, em graus. Comparando as partes destaca¬das nas frases, observa-se uma gradação crescente ou decrescente?
Crescente.
b-) A partir de que momento o comportamento bem-humorado da mãe e da filha começa a se modificar?
Quando ele saiu para trabalhar com aquele nariz ,aí ela começou a se irritar.

3-) Observe esta descrição que o narrador faz do dentista:

"Era um dentista respeitadíssimo. [...] Um homem sério, sóbrio, sem opiniões surpreendentes, mas de uma sólida reputação como profissional e cidadão."

Compare-a, agora, com estes pensamentos da esposa:

"Uma carreira brilhante, uma reputação, um nome, uma família perfeita"

a-) Em algum momento esses fragmentos demonstram os sentimentos e desejos do dentista como pessoa? Justifique.
Sim, pois descreve a vida do personagem.
b-) De acordo com o texto, o que é mais importante para a sociedade: o que o indivíduo realmente é ou o que ele parece ser?
O mais importante para a sociedade é o que ele parece ser.

4-) O mundo do dentista, até o episódio do nariz postiço, resumia-se a dois elementos básicos: a família esposa e filha) e a profissão (incluindo aí seus clientes e sua secretária).

a-) Que comportamento têm essas pessoas quando ele insiste em agir de modo diferente?
Decidem abandoná-lo.
b-) De modo geral, tal qual ocorreu no caso do dentista, pode-se dizer que a sociedade reserva um único destino a todos aqueles que ousam ser diferentes. Qual é esse destino?
O destino de ser julgado só pela aparência.

5-) A esposa suspeita que o marido tenha enlouquecido, os amigos o aconselham a procurar um psiquiatra. O psiquiatra conclui que ele está bem, apesar de apresentar um "comportamento estranho".

a-) Que argumentos contrários o dentista apresenta diante da opinião do psiquiatra sobre seu comportamento?
O dentista diz:”Estranho é o comportamento dos outros!”
b-) No final da crônica, o narrador afirma que o dentista continua a usar o nariz: "agora não é mais uma questão de nariz. Agora é uma questão de princípios". Qual a diferença entre uma questão de nariz e uma questão de princípios?
Que a do nariz ele ligava para com o que os outros diziam e princípios é diferente.

6-) O dentista diz ao psiquiatra: "Quer dizer que eu não sou eu, eu sou o meu nariz?". E o psiquiatra responde: "É... [...] Talvez você tenha razão...". E o narrador nos propõe uma questão: "O que é que você acha, leitor? Ele tem razão?".

Então dê sua opinião: O que é ser diferente? Somos o que somos ou o que parecemos ser?
Somos o que somos .Somos o que nosso coração é .
7-) Você já ouviu a canção a seguir, de Rita Lee e Arnaldo Baptista, que fez sucesso na voz de Ney Matogrosso?
BALADA DO LOUCO
Dizem que sou louco
Por pensar assim [...]
Eu juro que é melhor
Não ser um normal
Se eu posso pensar
Que Deus sou eu.
Sim, sou muito louco
Não vou me curar
Já não sou o único
Que encontrou a paz
Mais louco é quem me diz
E não é feliz
Eu sou feliz.

Nessa letra de música, o eu lírico — isto é, a voz que se expressa no texto e que não é necessariamente o autor — nega-se a se "curar" e diz ter encontrado a paz?

a-) Você acha que o dentista também encontrou a paz?
Não as pessoas ainda são preconceituosas .
b-) Releia os três últimos versos da Balada do louco. Você acha que ser diferente pode trazer felicidade?Depende da sociedade em que ele vive.

Savio

Anônimo disse...

1-) A crônica discute vários aspectos da vida social moderna; contudo, um deles se destaca. Das palavras seguintes, qual traduz o assunto central do texto?Comportamento.

• comportamento • moda • casamento • beleza


2-) As três frases a seguir expressam a reação da esposa e da filha diante do comportamento do dentista:

"Passado o susto, a mulher e a filha sorriram com fingida tolerância."
"— O que é isso? — perguntou a mulher depois da salada, sorrindo menos."
"A mulher impacientou-se."

a-) De uma frase para outra, nota-se que o narrador, para demonstrar o processo de irritação da esposa e da filha, empregou o recurso da gradação. Esse recurso consiste em criar um movimen¬to crescente ou decrescente, que acontece aos poucos, em graus. Comparando as partes destaca¬das nas frases, observa-se uma gradação crescente ou decrescente? Crescente.

b-) A partir de que momento o comportamento bem-humorado da mãe e da filha começa a se modificar?Quando elas ficam sem tolerância e percebem que o marido não vai tirar o nariz e o perguntam o que era aquilo.


3-) Observe esta descrição que o narrador faz do dentista:

"Era um dentista respeitadíssimo. [...] Um homem sério, sóbrio, sem opiniões surpreendentes, mas de uma sólida reputação como profissional e cidadão."

Compare-a, agora, com estes pensamentos da esposa:

"Uma carreira brilhante, uma reputação, um nome, uma família perfeita"

a-) Em algum momento esses fragmentos demonstram os sentimentos e desejos do dentista como pessoa? Justifique. Não.Porque ele só colocou um nariz.

b-) De acordo com o texto, o que é mais importante para a sociedade: o que o indivíduo realmente é ou o que ele parece ser?O que ele parece ser.


4-) O mundo do dentista, até o episódio do nariz postiço, resumia-se a dois elementos básicos: a família esposa e filha) e a profissão (incluindo aí seus clientes e sua secretária).

a-) Que comportamento têm essas pessoas quando ele insiste em agir de modo diferente?Elas acham que o pai estava enlouquecendo.

b-) De modo geral, tal qual ocorreu no caso do dentista, pode-se dizer que a sociedade reserva um único destino a todos aqueles que ousam ser diferentes. Qual é esse destino?Ser discriminado pelo estilo.


5-) A esposa suspeita que o marido tenha enlouquecido, os amigos o aconselham a procurar um psiquiatra. O psiquiatra conclui que ele está bem, apesar de apresentar um "comportamento estranho".

a-) Que argumentos contrários o dentista apresenta diante da opinião do psiquiatra sobre seu comportamento?Ele diz que continua o mesmo e que ele só estava usando um nariz de borracha.

b-) No final da crônica, o narrador afirma que o dentista continua a usar o nariz: "agora não é mais uma questão de nariz. Agora é uma questão de princípios". Qual a diferença entre uma questão de nariz e uma questão de princípios?De princípios porque era o que ele queria usar e o nariz era só um nariz de plástico.


6-) O dentista diz ao psiquiatra: "Quer dizer que eu não sou eu, eu sou o meu nariz?". E o psiquiatra responde: "É... [...] Talvez você tenha razão...". E o narrador nos propõe uma questão: "O que é que você acha, leitor? Ele tem razão?".Sim.Porque ele usa o que ele quiser.

Então dê sua opinião: O que é ser diferente? Somos o que somos ou o que parecemos ser?É não ser igual os outros.O que parecemos ser.

7-) Você já ouviu a canção a seguir, de Rita Lee e Arnaldo Baptista, que fez sucesso na voz de Ney Matogrosso?
BALADA DO LOUCO
Dizem que sou louco
Por pensar assim [...]
Eu juro que é melhor
Não ser um normal
Se eu posso pensar
Que Deus sou eu.
Sim, sou muito louco
Não vou me curar
Já não sou o único
Que encontrou a paz
Mais louco é quem me diz
E não é feliz
Eu sou feliz.

Nessa letra de música, o eu lírico — isto é, a voz que se expressa no texto e que não é necessariamente o autor — nega-se a se "curar" e diz ter encontrado a paz?

a-) Você acha que o dentista também encontrou a paz?
Não ,pois ele está sendo prejudicado.
b-) Releia os três últimos versos da Balada do louco. Você acha que ser diferente pode trazer felicidade?Pode.


Otavio Maia Rodrigues.

Kamila disse...

1.Moda.
2.a)Observa-se uma gradação crescente.
b)O comportamento bem- humorado da mãe e da filha começam a se modificar a partir do momento em que a mãe pergunta “O que é isso?”
3.a)Em nenhum momento fala dos sentimentos do dentista mas sim o que ele demonstra ser para a sociedade.
b) O que é mais importante para a sociedade é o que o indivíduo parece ser.
4.a)Elas demonstram preconceito pois um dentista respeitadíssimo não podia sair na rua usando um nariz postiço.
b)O destino de serem excluídos da sociedade.
5.a)Os argumentos contrários que o dentista apresentam são : comportamento estranho é o dos outros, ele continua o mesmo, não mudou o seu modo de pensar, vestir e de se comportar,enfim como era.Mas as pessoas o repudiam apenas por causa do nariz de borracha que ele usa, mas o fato de ele usar um nariz assim não quer dizer que ele não é ele.
b)A diferença entre questão de nariz , mas sim de princípios quer dizer que ele não usa mais o nariz por brincadeira mas sim para defender um propósito.
6.Ser diferente é viver da sua maneira não seguindo o padrão de vida da sociedade.Para a sociedade nos somos o que parecemos ser.
7.a)Sim, pois ele diz que é melhor viver do jeito dele do que ser um normal.
b)Em alguns casos que não liga com o que as pessoas falam sim, mas aquelas pessoas que ligam com a discriminação que as pessoas fazem ser diferente pode trazer a infelicidade.


Kamila Queiroz Freitas.

Igor Gabriel disse...

1-) Comportamento

2- a) Uma gradação crescente

b) Apartir do momento que ele diz que aquilo não é uma brincadeira.

3-) a-)Não, em nenhum momento pensaram em seus sentimentos e desejos, sempre pensaram em sua carreira, reputação e em seu nome.

b-) O que ele parece ser. Uma prova disso, é que quando o dentista chegou ao seu consultório, com o nariz postiço todos começaram a abandona-lo(até mesmo sua secretaria que trabalhava com ele a 15 anos).

4-) a-) Ninguém aceita, todos começam a abandona-lo.

b-) Sim, a sociedade tem preconceito e o destino é que todos acabam sendo excluindo.

5-) a-) O argumento contrario utilizado pelo dentista, é dizer, que estranho é o modo que agem as outras pessoas, ele continuava o mesmo, apenas usando um nariz postiço.

b-) A diferença é que “a questão do nariz” ele o usava simplesmente por gostar e “a questão de princípios” ele o usa para ver ate quando as pessoas vão ficar longe dele e se vão voltar a ser amigos dele.

6-) Ser diferente é ser como o dentista, querer ser do seu jeito não do jeito que os outros o querem (quem quer agradar a todos, não agrada ninguem).Somos o que nós somos.

7-) a-) Sim, ele sempre foi feliz, mas do seu jeito.

b-) Sim.Eu acho que ser louco pelo jeito de vestir, andar, ser, ou fazer qualquer outra coisa pode trazer grandes felicidades.

Anônimo disse...

1: comportamento
2: A desagradarão
B quando pergunta: o que e isto?
3: a não entendi a pergunta
B o que ele parece
4:A /a mãe e a filha vão ate o dentista quando chegam La eles se a sustão com a aparência do dentista e começa a perguntar.
B a ser incomum
5:a Ele não percebe que ele e o nariz
B o nariz e o que vão achar e princípios e o que ele quer fazer
6:eu acho que ele tem pois não desistiu
7:A não
B acho sim ,depende da diferença




joão luis

Anônimo disse...

1-) A crônica discute vários aspectos da vida social moderna; contudo, um deles se destaca. Das palavras seguintes, qual traduz o assunto central do texto?

• comportamento • moda • casamento • beleza
R:Beleza.

2-) As três frases a seguir expressam a reação da esposa e da filha diante do comportamento do dentista:

"Passado o susto, a mulher e a filha sorriram com fingida tolerância."
"— O que é isso? — perguntou a mulher depois da salada, sorrindo menos."
"A mulher impacientou-se."

a-) De uma frase para outra, nota-se que o narrador, para demonstrar o processo de irritação da esposa e da filha, empregou o recurso da gradação. Esse recurso consiste em criar um movimen¬to crescente ou decrescente, que acontece aos poucos, em graus. Comparando as partes destaca¬das nas frases, observa-se uma gradação crescente ou decrescente? R: Crescente.

b-) A partir de que momento o comportamento bem-humorado da mãe e da filha começa a se modificar? R:A partir da segunda frase


3-) Observe esta descrição que o narrador faz do dentista:

"Era um dentista respeitadíssimo. [...] Um homem sério, sóbrio, sem opiniões surpreendentes, mas de uma sólida reputação como profissional e cidadão."

Compare-a, agora, com estes pensamentos da esposa:

"Uma carreira brilhante, uma reputação, um nome, uma família perfeita"

a-) Em algum momento esses fragmentos demonstram os sentimentos e desejos do dentista como pessoa? Justifique. Sim: pois antes ele era isso e sentia isso.

b-) De acordo com o texto, o que é mais importante para a sociedade: o que o indivíduo realmente é ou o que ele parece ser? R: O que ele parece ser.


4-) O mundo do dentista, até o episódio do nariz postiço, resumia-se a dois elementos básicos: a família esposa e filha) e a profissão (incluindo aí seus clientes e sua secretária).

a-) Que comportamento têm essas pessoas quando ele insiste em agir de modo diferente? R: Primeiro acham graça e depois começam a se afastar.

b-) De modo geral, tal qual ocorreu no caso do dentista, pode-se dizer que a sociedade reserva um único destino a todos aqueles que ousam ser diferentes. Qual é esse destino?
R: Serem excluídos da sociedade.

5-) A esposa suspeita que o marido tenha enlouquecido, os amigos o aconselham a procurar um psiquia¬tra. O psiquiatra conclui que ele está bem, apesar de apresentar um "comportamento estranho".

a-) Que argumentos contrários o dentista apresenta diante da opinião do psiquiatra sobre seu comportamento?
R: Ele fala que o estranho são os outros, que ele continua o mesmo e que as pessoas só vêem o que está por fora e não como a pessoa é por dentro.

b-) No final da crônica, o narrador afirma que o dentista continua a usar o nariz: "agora não é mais uma questão de nariz. Agora é uma questão de princípios". Qual a diferença entre uma questão de nariz e uma questão de princípios? Que agora ele usa pra mostrar as pessoas que ele não mudou nada.

6-) O dentista diz ao psiquiatra: "Quer dizer que eu não sou eu, eu sou o meu nariz?". E o psiquiatra responde: "É... [...] Talvez você tenha razão...". E o narrador nos propõe uma questão: "O que é que você acha, leitor? Ele tem razão?".

Então dê sua opinião: O que é ser diferente? Somos o que somos ou o que parecemos ser? R: Somos o que somos, mas muitas pessoas só consideram o que vêem.Sim

7-) Você já ouviu a canção a seguir, de Rita Lee e Arnaldo Baptista, que fez sucesso na voz de Ney Matogrosso?
BALADA DO LOUCO
Dizem que sou louco
Por pensar assim [...]
Eu juro que é melhor
Não ser um normal
Se eu posso pensar
Que Deus sou eu.
Sim, sou muito louco
Não vou me curar
Já não sou o único
Que encontrou a paz
Mais louco é quem me diz
E não é feliz
Eu sou feliz.

Nessa letra de música, o eu lírico — isto é, a voz que se expressa no texto e que não é necessariamente o autor — nega-se a se "curar" e diz ter encontrado a paz?R: Sim.

a-) Você acha que o dentista também encontrou a paz?: Sim, pois ele estava se sentindo bem.

b-) Releia os três últimos versos da Balada do louco. Você acha que ser diferente pode trazer felicidade?R:Pode.

ALUNO: EDUARDO!!!

Anônimo disse...

1- •Comportamento

2- a)É uma gradação crescente, pois a cada momento a esposa e a filha vão se irritando mais.

b)A partir do momento em que todos ficaram olhando “torto” para a família, causando risadas desagradáveis.

3- a) Não. A esposa e filha estavam vendo só o lado das pessoas e não o lado dele.

b) Segundo a crônica é o que ele parece ser.

4-a) A esposa e filha saíram de casa, os clientes pararam de se tratar no seu consultório, e a secretária pediu demissão.

b) A exclusão.

5-a) O dentista diz que apenas um nariz de borracha não vai mudar o que ele é, e sim o que as pessoas queiram que ele seja.

b) Uma questão de nariz é de acordo com a aparência, e uma questão de princípio é de acordo com o que ele pensa, com o que ele tem vontade de ser realmente.

6- • Sim eu acho que o dentista tem razão, pois nós não devemos ser aquilo que os outros querem e sim o que somos. Porém uma mudança física não mudará o que somos, não mudará a nossa parte espiritual, o nosso interior. Aqueles que nos amam verdadeiramente, não vão nos deixar por causa de mudanças físicas.

7-a) O dentista encontrou a paz em si mesmo, porém ele não encontrou a paz diante os olhos da sociedade.

b) Sim, nos faz feliz, porque a partir no momento que VOCÊ se ama daquele jeito você será muito feliz consigo mesmo.

Marina -> 6 série - 7° ano (Anglo)

Priscila disse...

1-)a)Beleza
2)a)Crescente
b) A partir da segunda frase
3-)a)Não, pois fala que ele era aquilo e pronto, mais nada.
b) O que ele parece ser.
4-)a) Apesar de estar com aquele nariz feio ele continuou agindo como antes.
b) Ser excluído.
5-)a) Que ele continua sendo o mesmo, mas os outros não acham.
b) Não entendi!
6-)Cada um tem sua beleza , todos nos somos iguais , as diferenças são bobagens .
7-)Não entendeiii.
Pri

Anônimo disse...

1- Beleza

2- a) Crescente

b) A partir da segunda frase

3- a) Não. Pois a do narrador fala que ele era um dentista com uma reputação profissional e pronto, e a esposa fala que a reputação dele e boa para a sua família terem um nome bom.

b) O que ele parece ser.

4- a) Ele apesar de estar com aquele nariz feio ele continuou agindo como antes.

b) Ser excluído.


5- a) Que ele continua sendo o mesmo, mas os outros não acham.

b ) ____

6- a) Cada um tem sua beleza, todos nos somos iguais , as diferenças são bobagens , SOMOS O QUE SOMOS .

7- _____

AMANDA FRAGA

Anônimo disse...

1- Beleza

2- a) Crescente

b) A partir da segunda frase

3- a) Não. Pois a do narrador fala que ele era um dentista com uma reputação profissional e pronto, e a esposa fala que a reputação dele e boa para a sua família terem um nome bom.

b) O que ele parece ser.

4- a) Ele apesar de estar com aquele nariz feio ele continuou agindo como antes.

b) Ser excluído.


5- a) Que ele continua sendo o mesmo, mas os outros não acham.

b ) ____

6- a) Cada um tem sua beleza, todos nos somos iguais , as diferenças são bobagens , SOMOS O QUE SOMOS .

7- _____

amanda fraga

Hugo disse...

1-) Comportamento.
2-)a-) Sim.
b-) Elas pensavam q era uma brincadeira do dentista, quando ele ficou muito tempo com o nariz as duas se irritaram
3-)a-) Não. Eram só as falas do narrador.
b-) O que ele parece ser. Pois as pessoas só vêem como ele se veste. Mas ele continuou sendo a mesma pessoa.
4-)a-) Se afastam do dentista.
b-) A solidão.
5-)a-) Pois do nada o dentista passa a usar um nariz de borracha. É estranho.
b-) Que para ter a amizade de todos precisaria tirar o nariz.
6-) Ele tem razão. Eu acharia estranho ver uma pessoa assim usar um nariz de borracha, mas eu não sairia de perto dela, pois ela continuaria sendo a mesma pessoa.
Somos o que somos e não o que parecemos ser. Se eu usasse u m nariz de borracha não mudaria nada o meu modo de pensar e agir.
7-)a-) Acho que não, poi não mudou nada em sua vida.
b-) Sim. Pois seria muito chato se todos fossem iguais.


HUGO BRÊDA

Anônimo disse...

1) 1-beleza


2-)

a) decrescente

b-)Quando se assusta com seu pai


3-
a- Claro que sim fala mis dos defeitos dele do que os elogios da mulher

b-)
Uma pessoa com um pequeno defeito


4-)
a-não

b-) sim e o destino da vontade

5-) a-) Um comportamento diferente


b-)
Que princípios e questão de vontade


6-)
quer dizer que você não precisa ser do jeito que outra pessoa quer que você seja

7-)

a-Sim porque o povo respeito a vontade dele

b-) Pode deixar outras pessoas contente
João Vitor